Não existe educação sem cultura

Música Clássica nas Escolas

Música Clássica nas Escolas - Fundação Cesgranrio

 

Bach, Mozart, Chopin e Ravel, entre outros grandes nomes, vão encantar crianças de todas as idades pelas salas de aula do Rio.

 

A Fundação Cesgranrio, por meio de seu Centro Cultural, lançou, em junho de 2018, o projeto “Música clássica nas escolas”, em convênio com a Secretaria de Educação do Estado.

A iniciativa consiste na produção e distribuição gratuita de coleções com quatro livros ilustrados cada. A série completa terá uma tiragem de 28 mil exemplares. O objetivo é apresentar a música erudita aos estudantes dos ensinos fundamental e médio e também contribuir para a formação de plateias.

Para embalar os alunos, um CD com as obras mais emblemáticas, além de outras canções que marcaram os períodos históricos da música erudita, completa cada coleção. A trilha sonora, especialmente selecionada pela pianista Carol Murta Ribeiro, idealizadora da iniciativa, é executada pela Orquestra Sinfônica Cesgranrio.

 

Música Clássica nas Escolas - Fundação Cesgranrio

 

Os principais compositores de cada época 

 

As obras, além de indicarem os principais compositores de cada época, trazem informações e curiosidades sobre as outras manifestações artísticas que marcaram esses momentos históricos.

O primeiro volume, intitulado “Os Barrocos”, abordará vida e obra de Antonio Vivaldi (1678-1741), Johann Sebastian Bach (1685-1750) e Georg Friedrich Haendel (1685-1759). O segundo fascículo, “Os Clássicos”, tratará dos compositores Franz Joseph Haydn (1732-1809), Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) e Ludwig van Beethoven (1770-1827). O terceiro livro, “Os Românticos”, vai destacar Frédéric Chopin (1810-1849), Robert Schumann (1810-1856) e Franz Liszt (1811-1886). Por fim, a obra “Os Modernos” falará sobre Claude Debussy (1862-1918), Maurice Ravel (1875-1937) e Igor Stravinsky (1882-1971).

 

Música Clássica nas Escolas - Fundação Cesgranrio

Leandro Bellini, Secretário de Cultura da Fundação Cesgranrio; Wagner Victer, Secretário de Educação do RJ; e Carlos Alberto Serpa, presidente da Fundação Cesgranrio.

 

Para Carlos Alberto Serpa, presidente da Fundação Cesgranrio, propiciar ambiência cultural, que desenvolve o intelecto, otimiza a aprendizagem e faz superar as diferenças sociais.

– Posso afirmar, baseado na minha experiência de educador e também de amante das artes, que, como confirmam nossas pesquisas socioeconômico-culturais, este projeto alcançará em cheio os objetivos que nortearam nossa decisão. Dentro de uma linguagem acessível, levaremos música clássica aos jovens para que possamos despertar neles o interesse por esse rico aspecto da cultura – afirma Serpa.

De acordo com Carol, houve um cuidado em explicar o tema aos estudantes com clareza. Por isso, os termos técnicos do universo musical têm explicação “especial”, de modo a facilitar a compreensão e, ao mesmo tempo, despertar o interesse do jovem leitor:

– Ao escrever os livros, tive a preocupação de não retirar os termos musicais do texto, já que o foco é a música. Foi assim que surgiu a ideia de convidar alguns estudantes de Ensino Médio, a quem se destinam estes livros, para nos auxiliar como “Alunos-Leitores”: eles deveriam ler o texto e assinalar cada palavra não compreendida. Com isso, estas expressões e seus significados foram traduzidos, nos livros, em imagens especialmente criadas pelo nosso ilustrador Nando Costa, com o intuito de motivar e guiar os alunos na descoberta do mundo mágico da música clássica – contou ela.